Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

© os contos da abelha..

escrever ao sabor do vento..

29
Jul21

surpresas boas e cerejas ao borralho

Ana de Deus

sob a luz do sol é tempo de caiar as paredes e as floreiras à entrada da casa. no terraço há um recanto à sombra de uma buganvília, que se estica toda cheia de folhas e flores. eu resguardo-me por aí, com uma taça de água e uma caixa de ração. estou como um lorde.

todos os anos, no bom tempo, a casa espanta o frio com a alvura da cal, o colorido das flores, as primeiras borboletas, o zumbido das abelhas. o mundo em festa. e eu? eu espreguiço-me e dou longos bocejos. como apraz a um elevado membro da nobreza.

os dias enchem-se de amizades (e a minha barriga de petiscos). a idade não perdoa o cansaço, mas a dona da casa é dos seres humanos mais simpáticos que conheço. deixa-me encher a cama dela de pêlo, inevitável apesar da aristocracia que me corre nas veias.

a herdade tem a casa em que vivemos os dois, na qual muitos se encontram para as refeições, e dois espaçosos bangalós onde conheço pessoas novas todo o ano. agora os campos estão pincelados de papoilas e margaridas. no dia da espiga há quem colha ramos alegres.

se lhes ponho os dentes, perco a compostura. não sou um rafeiro qualquer, tenho sangue azul. mas é mais forte que tudo! ainda estou para entender como é que, uma apaixonada por gatos, adoptou um cachorro, na velhice. o coração tem deveras razões que a razão desconhece.

7 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D